Centro de Inovação de Maringá realiza revisão do planejamento estratégico 2016

Entre as metas estão maior participação e busca pelo protagonismo da entidade

 

Nesta quinta-feira (17), associados e diretoria do Centro de Inovação de Maringá (CIM) participaram da revisão do planejamento estratégico, bem como relembraram as principais atividades realizadas ao longo de 2015. Durante a reunião, o gerente-executivo do CIM, Leonardo Quintino, destacou a eleição da nova diretoria da entidade, presidida pelo gerente do SENAI Maringá, Luiz Antônio Mendonça, a constituição do Armazém Digital e a articulação com a sociedade civil quanto ao compromisso com a inovação.

Segundo a secretária executiva do Conselho de Desenvolvimento de Maringá, Márcia Santin, o próximo ano será de apostas quanto ao fortalecimento da entidade. “Na medida em que houver um maior amadurecimento dos parceiros, conseguiremos atribuir a eles maior responsabilidade e alcançar melhores resultados”, ressalta Márcia.

Parceria

Fundado em 2012, o Centro de Inovação de Maringá é uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, que tem como objetivo contribuir para o processo de desenvolvimento regional. A Sicredi União PR/SP é uma das apoiadoras da entidade.

De acordo com o diretor executivo Sicredi União PR/SP, Rogerio Machado, a cooperativa, desde o início da parceria, busca consolidar e incentivar as atividades desenvolvidas pelo CIM. “A entidade atua na busca incessante de inovações. A cooperativa trabalha nesta sinergia, onde o desenvolvimento se torna a base para conquistar benfeitorias a qualquer cidadão”, descreve Machado.

O gerente-executivo do CIM destaca a importância que a Sicredi promove na entidade e cita alguns trabalhos promovidos dentro da Sicredi União PR/SP. “Cada colaborador será estimulado a desenvolver ações dentro da cooperativa. Ele será o agente que vai identificar melhorias dentro do clima organizacional. Será o promotor de mudanças. Além disso, temos três bolsas de pesquisa incentivadas pela instituição. São pesquisas aplicadas, onde estudantes idealizam e são orientados a solucionar problemas condizentes com a realidade da cooperativa”, relata.